terça-feira, 30 de agosto de 2011

28

Vídeos para bebês: Compartilhando Dicas!

Tenho visto muitas mamães pedirem dicas de vídeos para seus bebês assistirem...
Ao que vejo parece que a Galinha Pintadinha é meio que unanimidade em todas as casas, e que os bebês, autoritarios como são, já sabem até quais músicas gostam e quais não!
Mas depois de 7 meses de popó popó popó popó a mamães está pedindo arrego! Alguém me indica um vídeo que seja tão eficaz quanto a Galinha Pintadinha (GP para os íntimos) urgentemente!!!! Esse tem sido o pedido de muitas mães...
Reuni as dicas que recebi nas últimas semanas e estou compartilhando com vocês!
Aqui eu testo com o Pedro pelo youtube antes de comprar os DVDs...

Galinha Pintadinha:
São desenhos simples, claros e coloridos com músicas infantis.
A Galinha Pintadinha parece prender a atenção de quase que todos os bebes, o Pedro ama! Exceto a música do Elefante...
http://www.galinhapintadinha.com.br/

Baby Einstein
Os produtos da linha Baby Einstein utilizam música, arte, linguagem, ciência, objetos reais e natureza para apresentar o mundo de uma maneira mais divertida às crianças (0 a 3 anos).
Nós não conhecemos por isso não podemos opinar. Alguém conhece?
http://www.babyeinstein.com/home/ (site em ingles)

Palavra Cantada
Música infantil moderna que fosse ao mesmo tempo lúdica e poética
http://www.palavracantada.com.br/final/index.asp
Patati Patata
Show da dupla de palhaço, apresentações e músicas.
 http://www.patatipatata.com.br/

Bebê Mais
Direcionado ao desenvolvimento do potencial de bebes entre 0 e 3 anos. São músicas do cancioneiro popular brasileiro e músicas classicas com imagens. (Nós temos esse, o Pedro gosta, o duro é assistir mais de uma vez, mas a proposta é essa mesma, que a mamãe assista junto com o bebê interagindo com o DVD). http://www.bebemais.com.br/br/index.htm

Cocoricó
São coletâneas de episódios produzidos pela TV Cultura. Nós temos mas ainda não prende a atenção do Pedro, talvez seja melhor para crianças mais velhas pois tão historinhas e não músicas.
http://www.tvcultura.com.br/cocorico/

Xuxa Só para Baixinhos
É uma série de CDs e DVDs lançada pela apresentadora de TV, atriz e cantora Xuxa. Atualmente, a série conta com dez volumes. Nós temos e o Pedro gosta.
http://xuxa.globo.com/

Se alguém tiver mais dicas de DVDs que não constem aqui no post, deixe no comentário para as outras mamães: Qual o DVD? Do que se trata? Qual a reação e idade do seu filho?
Se tivermos muitos comentarios amplio esse post na terça que vem!

Beijos
Bru

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

1

Pediatras, Hospitais, Atendimento

Antes da consulta nós sempre idealisamos um médico dos sonhos, mais nem sempre é assim, conversando com outras mães descobri que a profissão de Médico Pediatra esta em decadência total.

1 - Como você escolheu o Pediatra do seu filho?

Edna: Eu queria ficar com a Pediatra que fez o Parto mais ela só aceitava determinados planos (os mais caros) então entrei em contato com uma clinica super recomendada de perto da minha casa e fui conhecer e gostei bastante.
Ana: Não escolhi até hoje porque falharam em pontos básicos. Peço sugestão para todos que conhecem e o que escuto são muitos pais desanimados com pediatras.
Carol: Fiquei com a mesma pediatra que nos atendeu na maternidade, ela sempre tratou a Clarice super bem, e ela é uma pessoa que não fica criando caso com qualquer coisinha, sempre esperou as coisas caminharem sozinha, por isso adoro ela.
Bruna: O atual é o pediatra da metade das crianças da minha família

2 - Achou alguma dificuldade pra encontrar um bom profissional?

Edna: Muito, já fui em uns 4 médicos e continuo com o mesmo, teve um que parecia ate que tinha medo de pegar o Pedro.
Ana: Até hoje tenho dificuldade. Como as sugestões dos conhecidos não tem dado certo, acho que vou começar a seguir a lista do Guia dos meus convênios rs
Carol: Eu sempre tive muito medo, pesquisava e conversava muito com quem já era mãe, mas tive a sorte de ficar com a primeira.
Bruna: Não. Eu pedi muita recomendação de papais e mamães mais experientes, tanto com o primeiro pediatra dele em Itu, quanto com o atual.

3 - Já trocou de médico? se sim porque e se não, o que te faria trocar?

Edna: Continuo com o mesmo Pediatra desde que o Pedro nasceu, pensei em trocar pois devido a mudanças no palno de saúde ele não aceita mais o do Pedro e estou pagando as consultas a parte, mais ate hoje não gostei de nenhum outro que fui e o Dr Antonio sempre me atende muito bem, todas as vezes que precisei ele sempre me atendeu e tirou todas as minhas dúvida, só acho difícil marcar consulta ele tem a agenda super cheia.
Ana: Conheci 4 por estes motivos: não tiraram medidas da cabeça, atendimento rápido, sem simpatia, sem oportunidade para fazer perguntas, encaminhamento indevido, diagnóstico clínico errado e porque não agradou nem eu e nem o marido.
Carol: Não, mas o que me faria trocar com certeza seria não atender as ligações, uma consulta muito rapida, e sempre inventar doença.
Bruna: Troquei mas só por que troquei de cidade. Me faria trocar um médico que não atendesse minhas ligações no celular, eu sempre faço uma ligação teste para ver se sou atendida.

4 - Em relação ao hospitais infantis da sua Cidade, como é o atendimento?

Edna: Graças a Deus só usei esse serviço uma vez e fomos muito bem tratado nota mil.
Ana: Não conheço.
Carol: a Unimed acabou de criar um centro pediatrico, que já conhecemos e adoramos, foi o único que fomos até agora.
Bruna: Acabei de mudar para SP, mas amo o Santa catarina que é perfeito na minha opinião. Os de Itu eram péssimos, tive um problema mais terrivel que o outro por lá, a ponto de eu ter viajado 100 km para ter o Pedro em SP por que nem mesmo uti neonatal tem.

5 - Se no hospital receitassem alguma medicação pro seu filho, você aceitaria na boa?

Edna: Devido a grande repercurção aqui na minha cidade de hospitais aplicando medicamentos vencidos eu perguntaria a necessidade do medicamento e pediria pra ver a validade e a embalagem se não permitissem eu não aceitaria, pediria uma receita pra comprar o remédio em outro lugar, com a saúde do meu filho eu não vacilo.
Ana: Seguiria as dicas da Edna, mas acredito que na minha cidade isso seria um "desacato" para médicos e enfermeiros. Depende muito da situação e urgência.
Carol: Aceitaria como já aceitei, como não sou de ir para hospital por qualquer coisa, então quando vou é pra algo bem sério que não posso simplesmente dizer não.
Bruna: Se eu não sentisse segurança não, aliás isso já aconteceu, um médico receitou uma injeção de antibiótico sem ter feito nenhum exame e eu saí fugida do hospital. Após todos os exames em outro hospital constatamos que realmente não seria necessário que ele tomasse antibiótico!

6 - Como você analisa o atendimento que seu filho recebeu ate o momento?

Edna: O Pedro foi muito bem tratado por quase todos os proficionais de saúde que o atenderam desde o seu nascimento, só tenho queixa de uma enfermeira que aplicou a vacina dos três meses, a monstar furou ele três vezes sem necessidade, super mal educada, quase mandei ela enfiar a agulha.
Ana: Algumas vezes básico, outras, nem alcançou esse nível. Lamentável minha história com pediatras.
Carol: Até o momento ela foi muito bem tratada, agradeço muito por isso, a gente até pode ser destradas, mas que nossos filhos tenham o melhor né!
Bruna: Dos nossos dois pediatras que tivemos, excelente! Dos hospitais tenho dois extremos de opinião: Unimed Itu é péssimo, Santa Catarina em SP é perfeito!


terça-feira, 23 de agosto de 2011

7

É Roséola.... Hum, mas o que é isso?

Quando a gente tem filho um mundo novo de doenças que até pouco tempo ignorávamos existir passa a fazer parte das nossas preocupações!
Eis que semana passada o Pedro teve Roséola!
O que mais ouvi quando falava para os outros que ele estava com Roséola foi:
- Rubéola????
- Não Roséola!!!!
- Hum, mas o que é isso????

Bom por isso estou colocando o melhor texto que encontrei a respeito aqui para dividir a informação com as mamães! Espero ajudar!

Roséola


A roséola é uma daquelas doenças inofensivas da infância mas que deixam os pais malucos de preocupação. Ela começa com uma febre bem alta, sem explicação, e atinge principalmente crianças entre 6 meses e 6 anos, predominando nas menores de 2 anos.

A roséola é causada por um vírus, o vírus do herpes humano tipo 6 (HVH-6) e 7 (HVH-7), e é transmitida pela saliva (pense em todos aqueles brinquedos que são mordidos por todas as crianças da escolinha ou que rolam pela casa). É difícil identificar onde ocorreu o contágio, porque a roséola é transmitida quando a erupção de pele ainda não apareceu (e portanto ela ainda não foi diagnosticada), e o período de incubação vai de 5 a 15 dias.

Quais são os sintomas?

A roséola tem um padrão bem característico, de acordo com o esquema a seguir:

febre alta, repentina e contínua, que fica entre 38,3 e 42,2 graus, durante três ou quatro dias, e que desaparece tão rápido como veio
• além da febre, sintomas como nariz escorrendo, tosse, uma
leve diarréia, falta de apetite e de energia
• quando a febre vai embora, a pele começa a ficar manchada. A erupção costuma começar no tronco, e depois vai se espalhando na direção do pescoço e das extremidades, e desaparece em algumas horas ou em até três dias.

Preciso procurar o médico?

Como precaução, é melhor conversar com o pediatra. A maioria dos médicos prefere ser avisada de uma febre tão alta em uma criança de menos de 2 anos. O médico deve orientá-la a observar a criança e prestar atenção para ver se a erupção aparece depois de alguns dias. Se a febre persistir por mais de três dias ou a erupção for diferente da descrita, é melhor levar a criança de volta ao médico.

Qual é o tratamento?

Assim como nas outras infecções por vírus, não há tratamento contra a causa da doença, apenas para aliviar os sintomas.

Na fase da febre, mantenha seu filho confortável, dando bastante líquido para evitar a desidratação. Administre antitérmicos se a febre estiver muito alta e a criança estiver claramente incomodada. Depois que a febre vai embora, a criança ainda pode ficar irritada e manhosa por alguns dias, portanto arme-se de paciência. Logo ela estará novinha em folha.

Pode haver alguma complicação da roséola?

A febre alta provocada pela roséola às vezes pode causar uma convulsão febril, que pode ser assustadora, embora na maioria dos casos não traga nenhuma consequência à saúde da criança. Em situações muito raras, o estágio febril da doença pode levar à meningite ou, mais raramente ainda, à encefalite (inflamação do cérebro).

Mas, durante a fase febril, ainda não dá para saber se se trata de roséola, porque a erupção só surge depois. Isso quer dizer que seu filho estará sob observação por causa da febre alta, e qualquer sintoma preocupante (letargia, confusão mental ou qualquer coisa que assuste você) deve ser comunicado ao médico.

Adultos pegam roséola?

A maioria das pessoas tem anticorpos para a roséola já aos 4 anos de idade, mesmo sem nunca ter tido a doença. Em certos casos, um adulto com o sistema imunológico comprometido, como uma pessoa submetida à quimioterapia, pode sofrer uma infecção devido à reativação do vírus, numa espécie de herpes zóster.

Estou grávida e fui exposta ao vírus. Há perigo?

Como praticamente todos os adultos são imunes à doença, em princípio não há nenhum risco. Não existem registros científicos de consequências negativas da roséola na gravidez

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

5

Documentário - Criança, a alma do negócio

Este documentário reflete sobre estas questões, e mostra como no Brasil a criança se tornou a alma do negócio para a publicidade. A indústria descobriu que é mais fácil convencer uma criança do que um adulto, então, as crianças são bombardeadas por propagandas que estimulam o consumo e que falam diretamente com elas.
O resultado disso é devastador. Crianças que, aos cinco anos, já vão à escola totalmente maquiadas e deixaram de brincar de correr por causa de seus saltos altos, que já sabem as marcas de todos os celulares mas não sabem o que é uma minhoca, que reconhecem as marcas de todos os salgadinhos mas não sabem os nomes de frutas e legumes.
Num jogo desigual e desumano, os anunciantes ficam com o lucro enquanto as crianças arcam com o prejuízo de sua infância encurtada. Contundente, ousado e real este documentário escancara a perplexidade deste cenário, convidando-o a refletir sobre seu papel dentro dele e sobre o futuro da infância.

Será que precisamos nos preocupar já com isso?
Desde que me tornei mãe, isso ainda não tinha passado pela minha cabeça, agora como querer que nossos filhos brinquem, corram e saiam da frente da TV se os seus amiguinhos estão em frente a ela?
Será que isso ainda pode piorar?
Sou a favor de uma lei contra propaganda voltada para crianças, e concordo que criança não tem que se preocupar com isso, mas e a culpa é de quem? Dos pais ou da publicidade?
Será que seria realmente necessario proibir propagandas se os pais dessem aos seus filhos a devida atenção?
Mas nem tudo é tão simples assim né, o que vocês acham?

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

5

Pitacos e conselhos nada bem-vindos

Quem nunca esteve em determinado lugar e de repente vem alguém pra dar aquela opinião nada bem-vinda? É um saco né, se estivéssemos interessadas na opinião de um estranho...

1 - Qual foi a primeira pessoa que deu um pitaco ou fez um comentário que você preferia não ter ouvido?
Edna: Minha Sogra e no hospital, ate hoje ainda não digeri a situação.
Carol: Lembrar o primeiro é dificil! Mas os piores são em relação ao sling
Ana: Eu e marido decidimos não receber visitas na maternidade para dar o máximo de atenção e carinho ao Erik, descansarmos e nos recuperarmos o máximo que pudermos e também, evitar estas situações. Atendi poucos telefonemas e não me lembro se escutei algum. Mas, o marido que atendia os milhares de telefonemas escutou muuuitos.
Cyy: Ih foram tantas besteiras que eu não vou lembrar! Mas assim como a Carol a maioria é do sling.
Bru: A primeira e definitivamente maior veio da minha mãe! Dois dias depois de eu dar a luz ela veio pegar o Pedro segundos depois de ter fumado e eu, óbvio, reclamei do cheiro para um recém nascido... e ela, sem pé nem cabeça fez o comentário mais ridiculo: que o que uma "gorda como eu" estava falando do cheiro do cigarro dela... Lógico que eu tava gorda, inchada, dolorida um lixo... eu tinha tido um filho 2 dias antes.. e mais, o que é que tem alhos com bugalhos... mas o comentário me fez chorar muito, principalmente por ter vindo da minha mãe.

2 - De quem você costuma ouvir mais pitacos, conhecidos ou estranhos?
Edna: Conhecidos
Carol: Estranhos
Ana: Conhecidos que "se acham no direito e dever" de se intrometer no meu jeito de ser mãe.
Cyy: Conhecidos também.
Bru: Conhecidos

3 - Qual situação que você passou com o bebe na qual um estranho veio dar sua nada bem vinda opinião e você teve vontade de...?
Edna: Olha foram muitas, mais a pior foi quando eu estava com o Pedro no sling passeando no shopping e uma moça me vira e solta: como vc tem coragem de fazer uma maldade dessas com seu filho, ele deve esta sofrendo ai dentro, dessa vez eu tive que responder: sofrendo vai ficar vc se continuar se metendo nas nossas vidas!
Carol: Tantas! Teve gente que disse que o sling estava apertando a cartilagem da Clarice, gente que não adimitia a Clarice segurar o pescoço sozinha e me enchia o saco, colocar ela de pé e ficarem com a ladainha da perna torta.
Ana: Com as mãos sujas, seguraram as mãos do Erik e perguntaram indignados, com muita ironia e arrogância, como eu posso deixar as mãos dele geladas, acompanhado de um "tadinhooo" clássico. Esclarecendo: bebezinhos têm por volta de meio litro de sangue no corpo todo, boa parte circulando na cabeça e no abdômen. Por isso suas extremidades ficam com uma temperatura menor do que a do corpo, mas isso não significa que os bebês estão com frio.
Cyy: Passei perto de um bar e uma mulher que já devia ter bebido algumas falou que minha filha ia cair, (do sling) eu já estava irritada e respondi que quem cairia seria ela se continuasse bebendo daquele jeito e saí andando, deixei a maluca pra trás.
Bru: Minha EX diarista que me criticava por que dar muito de mamar para o menino... esse foi um dos motivos do "EX"

4 - A Clássica: Quando o bebe esta chorando, sempre tem alguém querendo adivinhar o que ele tem:
Edna: Nossa isso me tira profundamente do serio, por que alguém acha que conhece melhor meu filho do que eu? Ta na hora dessas pessoas guardarem suas teorias para seus próprios filhos.
Carol: No começo a Clarice não podia espirrar ou suspirar que alguém vinha com "ta com fome!"
Ana: Mesmo depois das pitaqueiras me verem amamentando Erik por quase um hora, insiste em dizer que ele chora porque ainda está com fome (na realidade porque acham que o leite materno é fraco e sentem um ciúme por eu amamentar que ninguém merece). Na realidade, Erik fica incomodado até arrotar.
Cyy: Será que não tá com fome? Dá vontade de responder, tá sim, eu tô deixando ela de castigo sem comer pois chegou muito tarde em casa na noite passada.
Bru: Me irrita pessoa que não é nem da família tentando falar com categoria o que ele tem... a essa altura do campeonato é muuuuito dificil ele chorar sem que eu saiba o que é... é sempre cansaço, manha por que eu sai da vista dele, fome...

5 - O que mais te incomoda, os comentários maldosos ou as opiniões sem noção?
Edna: Sinceramente, os comentários principalmente quando são daqueles parentes que você prefere esquecer ate que são da família.
Carol: Não me recordo de comentarios maldosos, tenho muita raiva de gente se metendo sem nunca nem ter pego a Clarice no colo.
Ana: Comentários maldosos, irônicos, arrogantes, têm uma carga negativa horrível. Nem respondo, não dou bola a isso e na hora mentalizo muitas coisas positivas para o Erik para protegê-lo.
 Cyy: Os comentários de quem pensa que entende mais da minha filha do que eu só porque já teve outros filhos antes de mim.

Bru: Opnial sem noção... eu quase não sofri com comentários maldosos (e mais uma vez, infelizmente os que eu ouvi vieram também da minha mãe).

6 - Se você pudesse gostaria de dizer algo para essas pessoas que adoram dar opinião?
Edna: a maioria das pessoas que fazem esses comentários e dão opiniões já tiveram seus filhos, ou pior ainda, não tem nenhum, gente é meu filho e eu decido a melhor maneira de cuidar dele, se eu quiser conselhos vou pedir a quem eu achar que devo, eu sei se ele esta com fome, eu sei se ele quer dormir, e não porque você disse ou fez que vai servir pra mim, tome conta da sua vida. ( opa exagerei?!)
Carol: Se ela sabe tanto cuidar de bebê que vá ter o dela, ou cria um gato que tem 7 vidas, bastante para se ocupar.
Ana: Eu fiz a blogagem coletiva "Liberdade e respeito para ser mãe do meu jeito" aqui e aqui) para reafirmar o que já falo ao vivo sobre respeito de cada um ser pai e mãe do seu jeito. Não tenho nada para falar, mas sinto o quão lamentável é saber que pessoas que temos estima não nos aceitam como somos.
Cyy: Igual a Carol! rs Adoro essa das vidas do gato!
Bru: Prefiro continuar a me fazer de surda, tem funcionado #a maioria das vezes rs.










10

Dicas que valem a pena

Oi, mamães queridas!

Há algum tempo, já queria ter falado para vocês sobre três produtinhos que provamos e não somente aprovamos, mas adoramos. Não se trata de fazer propaganda, mas de compartilhar com as mamães coisinhas de que gostamos muito.

Sei que ter a opinião de alguém que já provou faz diferença na hora de decidirmos sobre comprar ou não, usar ou não, oferecer ou não.

Então meu post hoje é sobre isto: produtos que provamos nos últimos dias (ou meses) e fizeram diferença em nossa vida.


- Fraldas Huggies Naturali

Simplesmente esqueçam tudo o que conhecem sobre maciez. Quem é Pampers Noturna & Diurna perto dessa maravilha chamada Huggies Naturali??? Ninguém! Gente, estou muito, muito impressionada com essa fralda. Acho que ela nem pode ser chamada de "fralda"; é uma categoria a parte. Não tem nada a ver com nenhuma outra que já provei. Não entrou no dossiê porque na época eu não a conhecia, mas - de verdade - nem poderia mesmo ter entrado, pois deixa qualquer outra no chinelo!

Bom, como se não bastasse a fralda ser EXTREMAMENTE MACIA (elevado à enésima potência), megaconfortável, não vazar e ser lindinha, ela é ECOLOGICAMENTE CORRETA:



A Fralda Huggies Naturali Amiga do Planeta é feita com BIOPLÁSTICO.

Vejam:

Polímero de origem vegetal crescentemente utilizado na produção de embalagens, o ácido polilático (PLA) agora marca presença na confecção de fraldas descartáveis. A novidade é da linha Huggies Naturali, da Kimberly-Clark Brasil. O biopolímero é empregado na camada interna das fraldas, que são de tripla barreira, reduzindo o consumo de plástico convencional em até 10%.Além da produção parcial com material de fonte renovável, a novidade se destaca por incorporar um indicador de urina na parte frontal, que evita que as mães fiquem abrindo a fralda para verificar necessidades de troca, e forro interno com óleo de jojoba, um hidratante natural. A fabricante ressalta que a embalagem – um pacote em filme de polietileno de baixa densidade, produzido pela Rhotoplás– é reciclável, alinhando-se ao caráter “verde” do lançamento.

Bacana, né? Fraldinha fabricada com matéria-prima de fonte renovável, que não agride o planeta, hipoalergênica, com toque mais macio que qualquer outra fralda, barreiras triplas de proteção, indicador de xixi na parte externa, uma espécie de bolso ao contrário na parte de trás, perto das costas, que impede que o cocô vaze para as costas do bebê, formato anatômico e ainda por cima lindinha!!! O que mais uma mamãe pode querer?




- "Minha Gelatina", da Dr. Oetker

Que mamãe não morreu de vontade de dar gelatina a seu bebezinho de mais de 6 meses, mas - no fundo - ficou receosa por causa da quantidade de açúcares artificiais (adoçantes sintéticos, que não são indicados para crianças pequenas) e, principalmente, de corantes? (Quem quiser ler um pouco a respeito, clique aqui.)

A Dr. Oetker resolveu os nossos problemas: criou a "Minha Gelatina":

* Enriquecida com polpas de frutas e vegetais
* Fonte de vitaminas: A,D,B1,B2 e B6
* Fonte de Minerais: Ferro e Zinco
* Não contém gordura ou colesterol
* Não contém corantes artificiais
* Utiliza açúcar 100% natural

O sabor? Uma delícia!!! Vale a pena!!!

É claro que não vamos privar os pequenos de corantes, edulcorantes, adoçantes e outros "antes" a vida toda. Mas, tendo alternativas, por que não usufruir delas, não é mesmo?

Ressalto que, embora o açúcar seja natural, só o fato de ter açúcar já faz com que tenhamos de - ao menos - limitar a quantidade oferecida aos pequenos. Bons hábitos alimentares devem ser cultivados desde sempre, não é?

Quanto às mamães que optam por dar aos pequenos apenas alimentos 100% naturais e totalmente livres de qualquer tipo de açúcar, têm o meu respeito e podem apenas ignorar essa parte do post.

 

- Cadeira de Alimentação

Não comprei junto do enxoval do Miguel porque não considerei item muito necessário. Além disso, confesso, achei que ele demoraria séculos a precisar da tal cadeira (pobres - e felizes - gestantes, que acham que 6 meses custarão a passar!). Pois os 6 meses voaram, o pequeno começou a comer deliciosas - e melequentas - papinhas e aos poucos o carrinho e o bouncer estavam ficando cada vez mais sujinhos. E dá-lhe mamãe limpando todo o aparato.

Aí a vovó nos deu de presente uma cadeira de alimentação (lindona, diga-se de passagem) e a mamãe aqui passou a perceber a diferença do "feito para" e do "também serve para". Alimentar o pequeno numa cadeira de alimentação são outros 500: a posição em que ele fica é a ideal, o material é hiper fácil de limpar, a bandeja evita que o chão em volta fique todo sujo e vários outros et cetera que fazem cada centavo do investimento valer a pena.

Há, no mercado, vários modelos, de diversos preços e com diferentes características. Para quem precisa de uma dica, falo da que ganhamos, conhecemos e amamos: CADEIRAO CONTEMP GUSTAV GRACO.


Este cadeirão da Graco possui 2 bandejas, sendo que a primeira pode ser retirada para higienização enquanto o seu bebê fica com a outra. Estas bandejas podem ser usadas na máquina de lavar.
O cadeirão tem 6 níveis de altura e 3 modos de reclinagem
O cinto de segurança possui 5 pontos
4 Rodas com travas, o que facilita o transporte
Fica muito compacto e para em pé quando fechado (mede, com a bandeja, 23 cm largura x 82 cm altura )
Estofado removível e facilmente limpo com um pano úmido
Uso até 3 anos ou 18,2 kg

Eu super recomendo!!!



Por hoje é só. Espero que tenham gostado das dicas.

Beijos,



quarta-feira, 17 de agosto de 2011

6

10 princípios da Paternidade

Eu continuo no clima de dia dos Pais. Este post são para todos, independente de sexo, aumentar a difusão de informação e experiência para papais de primeira ou de muitas viagens. Notei que tem aumentado o número de blogs, sites, livros, etc, para este público. Por mim, pode aumentar muito mais ainda porque acredito que Pais são únicos e insubstituíveis nas nossas vidas e quanto mais for estimulada a participação, a valorização deles na vida dos filhos, estaremos contribuindo para um mundo melhor.

Um dos sites que gostei e recomendo é o http://dadsworld.com. E vou resumir um dos textos deles que adorei.


1 - Defina suas prioridades: Decidir o que é realmente importante para você. Reserve sua energia para as questões importantes e não gaste com coisas sem importância. Projete sua vida em torno de princípios construídos por você e sua família.

2 - Faça a sua vida um exemplo para seus filhos: Deve ser tanto "Seja o que sou" como  "Faça o que eu digo." Disciplina é para os pais em primeiro lugar (adorei isso!). É por isso que é tão difícil. As crianças aprendem o que observam mais do que por aquilo que dizemos a eles. Ser o tipo de exemplo e modelo que merece respeito.

3 - Estudo de seu filho: Conheça, observe e converse com seu filho. Estar no momento com seu filho, realmente em sintonia com eles, não apenas na mesma sala.

4 - Tenha cuidado para não esmagar o seu filho: Você não deve agir por meio de intimidação verbal ou física. Seu objetivo final é educá-lo para escolher direito para si mesmo, de coração, mesmo quando você não estiver por perto. Certifique-se de capacitar os seus filhos, não abafar o seu entusiasmo.

5 - Ensine seu filho a se controlar: Ouvir muitos "Não!" e sobreviver a frustração que vem automaticamente com ele dá força e ajuda a controlar seus impulsos e frustrações. Claro que ajuda se você está modelando auto-controle para ele.

6 - Exigir obediência: Diga sim sempre que possível. Mas, quando você diz não, seja claro também. Quantas vezes você já viu os pais não seguir com disciplina? Isso cria falta de respeito na criança à autoridade. Seja o pai.

7 - Ensine respeito pelas outras pessoas: Respeito começa em casa. Ao aprender o respeito em tenra idade, as crianças verão que as pessoas e as coisas não devem ser alvos de sua ira. 

8 - Ensine o trabalho duro: A partir de uma idade muito precoce, a criança deve ser um membro de ajudar a unidade familiar. Isto requer paciência, ensino, criatividade. Ensine seus filhos que você tem na vida que você merece, não o que você quer. Não pedir, mendigar ou roubar. Essa é uma lição de vida importante para todos nós.

9 - Dar muitas recompensas. Punição ensina o que não fazer. Você quer ensinar seu filho que o bem e o prazer andam juntos da mesma forma como o pecado e a dor. Bondade, recompensa, boas obras e obediência, alegria. Ser uma família positiva e criar um ambiente divertido para os seus filhos crescerem.

10 - Esqueça sentimentos de culpa: Todos nós cometemos erros, as crianças e pais. Crianças preferem viver com um pai que faz um erro ocasional do que com alguém que nunca se preocupa o suficiente para discipliná-los em tudo. Ninguém é perfeito.

Também recomendo o site http://www.fathers.com. Para encerrar, conselho dos meus amigos papais: "Se valorize e aproveite o máximo dos seus filhos e da sua família: felicidade garantida para o presente e o futuro!"

E quem tiver mais dicas legais para Papais, deixe nos comentários.


terça-feira, 16 de agosto de 2011

128

Epilepsia e Maternidade

Coisa que muito pouca gente sabe é que eu sou epilética! Quer dizer, sabia né, agora que tá no blog é informação de domínio público rs. 
Bom, eu não costumo falar muito por que a epilepsia, embora faça parte da minha vida e me avise todos os dias que ela existe, não interfere muito no meu dia a dia. Mas ah, como interferiu nos meus medos durante a gestação. Por isso estou escrevendo esse post, para as mulheres epiléticas saberem que podem sim ter uma gestação completamente normal e saudável desde que se planeje e faça um acompanhamento pré natal com o ginecologista e neurologista. 
Quem toma anticonvulsivantes não pode tomar nenhum tipo de pílulas anticoncepcionais (pode, mas o efeito é reduzido, e aí quem confia?) e deve ter um cuidado redobrado no início da gestação, assim o medo de engravidar sem aviso prévio sempre rondou minha vida.
Quando eu tinha 17 anos fui em uma consulta de rotina no meu neurologista e fui pega de surpresa com o seguinte discurso: "Bruna, agora você está em idade fértil, mas quero que entenda que se engravidar tomando os seus remédios seu filho vai ser todo deficiente e eu não vou cuidar de você! Entendeu?"
Ô se entendi, não só entendi como chorei e tive esse fantasma presente na minha vida até o dia do nascimento do Pedro... que de deficiente não tem nada!
Claro que depois desse neurologista eu busquei outras informações e resumindo, os anticonvulsivantes aumentam sim a porcentagem de má formação fetal, especialmente na formação do tubo neural, que acontece nas primeiras semanas de vida do embrião, justamente quando a mãe ainda não sabe que está grávida e não toma nenhum cuidado especial. Por isso é importante que a mulher epilética tenha uma gravidez planejada e que comece a tomar ácido fólico 3 meses antes de engravidar. Além disso a mulher deve estar estável e sem ter crises convulsivas, os anticonvulsivantes devem estar na menor concentração efetiva possível e de preferencia que seja um ativo apenas (o que nem foi meu caso e mesmo assim deu certo... tão certo que quero engravidar de novo!).
Pesquisei um pouco e essas são as maiores dúvidas das mulheres epiléticas quanto à gestação e maternidade:

A epilepsia pode ser transmitida aos filhos?
A epilepsia não se transmite necessariamente aos filhos.
Apenas em alguns tipos de epilepsia poderá haver um fator hereditário.

E pode engravidar?
Não há nenhum inconveniente importante que impeça uma mulher com epilepsia de poder engravidar e de ter um filho saudável.
Contudo, esta deve planejar a sua gravidez, consultando previamente o seu médico assistente. Assim, poderão tentar-se algumas medidas com vista a diminuir os riscos da medicação para o feto evitar certos fármacos, tentar a monoterapia (tratamento com um só medicamento), ajustar as doses, associar certas vitaminas (Á cido fólico, vitaminas K), se ainda as não estiver a tomar.
No caso de uma gravidez não planejada deve contatar, logo que possível o seu médico assistente, para que este, depois de avaliar a situação, possa orientar o tratamento durante o período de gravidez. Normalmente é necessário uma maior vigilância com consultas e exames mais frequentes.

O uso de medicamentos anti-epilépticos durante a gravidez poderá provocar lesões no bebe?
Embora ainda seja discutível o efeito teratogéneo (possibilidada de provocar malformações) de alguns anti-epiléticos, parece haver um risco ligeiramente maior que o existente na população geral.
No entanto, o efeito nocivo de alguns tipos de crises epilépticas pode ser mais graves que o dos próprios medicamentos. Pode-se mesmo afirmar que é preferível o pequeno risco que advém da toma destes medicamentos, na gravidez, do que o risco (elevado) em consequência de crises não controladas na mãe e que podem repercutir sobre o feto.
Em caso algum, portanto, deverá ser interrompida abruptamente a medicação.

A mãe com epilepsia poderá amamentar o seu filho?
A mãe, quando medicada para a sua epilepsia, pode e deve amamentar o bebé. Isso vai permitir que a criança continue a receber pequenas quantidades desses fármacos, que já antes passam através da placenta e cordão umbilical, evitando assim os síndromos de abstinência, provocados pela falta repentina desses medicamentos no bébe.
Fonte: Liga Portuguesa contra a Epilepsia, Sanofi aventis

EDITADO EM 12/01/2015, por BRUNA:
Tenho tido muitas procuras solicitando informações, ajuda ou apenas para repartir as angustias, ansiedades e felicidades.
Sinto muito as vezes não poder ajudar como precisam, por que não sou médica, só tenho informações da minha experiencia como epiletica e mãe, além das coisas que li.
Por isso criei um grupo no facebook para nos reunirmos e trocarmos informações.
Espero que possam aproveitar.
Beijos
Bru
https://www.facebook.com/groups/356493201224178/

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

4

Workshop Gravidez, Parto e Simbiose‏ - Fortaleza/CE

No workshop Gravidez, Parto e Simbiose, a terapeuta reichiana Cláudia Rodrigues abordará os aspectos psicológicos da gravidez, do parto e da amamentação. É interessante para mulheres que pretender passar por isso, estão passando ou já passaram, bem como também é muito interessante para profissionais da assistência perinatal.

A Cláudia é uma pessoa iluminada, muito carismática e entende muiiiiiiiiiito de gente, vale a pena demais, segundo ela, é "satisfação garantida ou seu dinheiro de volta"!!

Ishtar Fortaleza Espaço para Gestantes convida:

Gravidez, Parto e Simbiose – Visão e Prática Reichiana

Workshop com Cláudia Rodrigues

Cláudia Rodrigues é jornalista desde 1986 e terapeuta reichiana desde 1998. Autora de "O Lado Esquerdo da Asa da Borboleta Amarela”, Ed. Céu e Terra, 1997 e de “Bebês de Mamães Mais que Perfeitas”, Ed. Centauro, 2008. Seu trabalho foca o universo psíquico nas várias fases de desenvolvimento do ser humano. O workshop Gravidez, Parto e Simbiose é centrado nas experiências psíquicas da fase reprodutiva, seus transtornos e as possíveis soluções para uma gestação, um parto e uma amamentação boas o bastante para vida emocional da dupla mãe/bebê.

Data: 20 de Agosto de 2011 (sábado)

Horário: 9h às 18h

Local: Núcleo Sol – Av. Ver. Pedro Paulo, 560 – Água Fria

Organização: Ishtar Fortaleza Espaço para Gestantes

Apoio: Academia Núcleo Sol

Vagas: 15 vagas

Preço: R$ 220,00

Inscrições: Favor solicitar sua ficha de inscrição através do email ishtarfortaleza@gmail.com

Mais informações:

Por email: ishtarfortaleza@gmail.com

Por telefone: Kelly: 85-87244772 (oi) ou 85- 96128800 (tim)


Programa:

- Fecundação

Quando corpos sadios não se deixam fecundar

A separação entre o desejo e a vontade

A mãe mal-vista, a mulher ressentida.

Exercícios

- Gestação

Os três primeiros meses, a implantação

Sentimentos ambivalentes

Dança dos hormônios, os sintomas

Simbiose e rejeição

Os três meses do meio, o desenvolvimento

O rei na barriga ou seria uma rainha?

Exercícios

Tornar-se mãe, deixar de ser filha

Os três meses finais, a ansiedade de separação

O medo do parto, grande mestre ou vilão

A separação do filhote, a grande dor ou o alívio final.

Exercícios

- Trabalho de parto

O medo de expulsar

Fantasias de dilaceração

A expulsão vista como tragédia

A expulsão sentida como solução

Dar a passagem, dar à luz

Cortar a simbiose ou continuidade somática?

Exercícios

- Amamentação

A agressividade da expulsão reparada pela amamentação

A agressividade da expulsão e a euforia do parto

Transtornos da amamentação após o parto

Transtornos da amamentação após a cirurgia

Amamentação e simbiose do bebê

Amamentação sentida como prisão

Amamentação, uma viagem rumo à autonomia do bebê

Corpo, arte e conclusão




domingo, 14 de agosto de 2011

5

Semanas dos Pais - Avô de primeira viagem

Olá pessoal,
O convidado de hoje será um paizão 2 vezes, vovô da Clarice e papai da Carol Liôa do blog Mother Headbanger, seu nome Edson Schmidt.
LinkObrigada Vovô Schmidt, por aceitar nosso convite, ficamos felizes em receber você em nossa "casa".
E nesse dia tão especial desejamos um Feliz dia dos Pais bem especial a todos os papais de primeira viagem!

Um beijo,
As mamães!



Vocês não sabem o que é ser avô de primeira viagem...

É realmente o que se diz, você não se preocupa com as obrigações, só quer as coisas boas, e na verdade, você só vê coisas boas... preocupação com o futuro, escola, faculdade, nem pensar, só o sorriso, um dedinho, um soluço, um chorinho... maravilhoso.

Mas, não posso dizer que a cada criança que você vê ou ouve, um choro de nenê na rua, não tem como não levantar a cabeça à procura do rostinho, comparar os olhinhos, ou a covinha na bochecha, no queixo, é até chato, os pais ficam olhando desconfiados, e nas lojas de roupas infantis e brinquedos, os vendedores já sabem, “avós babando os netinhos”, tem que olhar tudo, pegar e imaginar como a Kaká (Clarice) ficaria..., é muito bom.

A comparação com os filhos, a cada novidade dos netos a lembrança e a comparação com o passado, como foi com os filhos, aí sim bate a saudade e até um pouquinho de remorso, imaginando que poderia ter sido melhor com os filhos, não sei se todos pensam assim...

A distância e a saudade, o mais difícil, minha netinha já tem hoje 5 meses e 11 dias, só convivi com ela 13 dias, só isso, estou em desvantagem a vovó ficou 60 dias e depois mais 12 dias.
E o futuro... não o dos netos, mas o nosso junto deles, daqui a exatamente 1 ano (bissexto), 10 meses e 17 dias (ou seja 596 dias) me aposento, as passagens já estão compradas, a dúvida é saber em que bairro vamos morar.

A rapidez como as coisas acontecem, aquele “cisco de gente”, 3,480 Kg, já está quase andando, dando gargalhadas e fazendo outras peripécias, que inveja... mas também, como minha filhinha, de repente deixou de ser a briguenta da casa e virou uma mulher, mãe, senhora, dona de seu nariz, sabendo o que quer para si e para sua filhinha...

Que fase boa da vida, ser avô, um presente daquele que em sua Grandeza, Arquiteta o Universo.
E de quebra para o vovozinho lobo mau ainda tem a vovozinha...
Amo muito vocês e agradeço a Deus pela minha família e minha vida.

Sou o avô de primeiríssima viagem da Clarice, pai da Carol
Vô Schmidt

sábado, 13 de agosto de 2011

4

Para os Papais

Primeiramente eu gostaria de parabenizar a todos os Papais pelo dia de amanhã e agradecer a participação de todos nessa semana toda especial. Vamos às perguntinhas!?

1- Qual foi a sua reação ao saber que seria pai? o que você sentiu?
Marcelo (Cyy): Primeiramente tomei um susto e logo depois percebi que esse bebê viria no momento ideal da minha vida, com a única pessoa que conheci que valeria a pena.
Fernando (Bru): Alegria e felicidade. Nós já estavamos aguardando o momento em que aconteceria, mas nunca esperamos que aquele seria o momento.
Pedro (Carol): De cara fiquei muito feliz, ao mesmo tempo sem cair muito na real, mas já tem tempo do sonho de ser pai. Foi otima a noticia.

2- Você acompanhou a gestação? o que achou de ver a barriga crescer?
Marcelo (Cyy): Eu pude acompanhar dia após dia a evolução da minha garotinha dentro da barriga e achei simplesmente sensacional.
Fernando (Bru): Sim diariamente, não só a barriga como o desenvolvimento do Pedro a cada ultrassom. Foi uma experiencia diferente de todas as outras.
Pedro (Carol): Sim foi bacana, mas dá para der uma noção grande do que a MÃE tem que passar, com as varias mudanças não só no corpo mas mentalmente.

3- Qual era seu maior medo antes de o bebê nascer?
Marcelo (Cyy): Que ela não fosse perfeita.
Fernando (Bru): Pela saúde dele e da Bru.
Pedro (Carol): Não tinha medos, mas alguns pensamentos que acredito que seja normal em qualquer ser humano que esta a esperar algo que não pode ver e nem saber como vai ser até a verdadeira chegada. Mas medo mesmo não tive.

4- Como foi o grande dia? O que você sentiu quando chegou a hora?
Marcelo (Cyy): Foi inesquecível, fiquei muito ansioso para que ela nascesse logo.
Fernando (Bru): Foi maravilhoso, acompanhei o parto, chorei à espera do Pedro, fui o primeiro a ve-lo. Ouvir o choro do meu filho não tem como explicar.
Pedro (Carol): Foi muito corrido, cheio de ansiedades e preocupações, o grande momento chegou cheio de emoção e alivio após tudo estar terminado, com nossa pequena livre e a gente super feliz.


5- O que você sentiu quando viu o bebe pela primeira vez?
Marcelo (Cyy): Senti uma felicidade sem fim assim que a vi.
Fernando (Bru): Senti muito amor e felicidade.
Pedro (Carol): Alivio

6- O que é ser pai?
Marcelo (Cyy): É como se um novo Eu tivesse nascido juntamente com a minha filha naquele inesquecível dia.
Fernando (Bru): É ser responsável por alguém e participar do desenvolvimento. É ter que mudar sua vida para poder dar só bons exemplos.
Pedro (Carol): É ser uma pessoa completa sem saber que era incompleta


sexta-feira, 12 de agosto de 2011

9

Semana dos Pais: De Papai para Miguel - Todo o meu amor

Pai !... Que felicidade enorme: sou Papai. É incrível, é indescritível, é tudo que um ser humano pode desejar ser!!!
Filho, você surgiu e trouxe a alegria, a paz, o amor e a esperança que eu tanto queria!

E agora???
Muita responsabilidade, muita dedicação, muito compromisso, muito amor... Preciso pensar em cada passo que eu traço hoje, pois você, meu filho, me fez mudar de vida.

Só tenho uma certeza: quero ser seu companheiro, seu amigo verdadeiro, quero estar ao seu lado em cada momento da sua vida, pois meu motivo hoje é viver em sua razão.
Seu sorriso me encanta e dá vida ao meu sorriso, você veio para enfeitar a minha vida e hoje o meu coração é teu.
Hoje vejo você crescendo e não vejo a hora de sairmos para o campo ver o nosso “CRUZEIRO”, soltar pipa, jogar bola, ir ao parque, ao clube, à rua ou até mesmo olhar as estrelas do céu.


Como disse, fico preocupado porque tenho um grande compromisso: oferecer-lhe a base para que seja o homem mais feliz e realizado deste universo; quero ser seu porto seguro e ver sempre de camarote o seu sucesso.
Te amo desde o primeiro momento em que eu te vi! É algo imenso, muito intenso! É muito bom ter você ao meu lado agora e para sempre.
Para finalizar, só sei de uma coisa: Você nasceu  há mais de 6 meses e o dia do seu nascimento será comemorado todo ano por nós. E, além disso, eu ganhei mais uma data especial para comemorar todo ano: o Dia dos Pais! Vamos comemorar juntos, daqui a dois dias, o nosso primeiro Dia dos Pais! Isso aconteceu por causa de você, Miguel.

Muito Obrigado, meu filho querido e amado.
Hoje você é o meu “SOL”. É a luz de todos os meus dias!!!
Te amo.


quarta-feira, 10 de agosto de 2011

13

Semana dos Pais: "SupERIK"


Créditos: http://crendiospai.com.br/


Relato de pai sobre um dia atípico na vida de um bebê.

Numa galáxia muito muito distante nasce Erik, filho de Ana Claudia e Ivens. No momento do seu nascimento uma distorção da Força ecoou através do universo. Desde os seus primeiros choramingos, viu-se que ele era diferente. Quando começou a andar, conseguia dar saltos por cima da mesa e cambalhotas no ar. Tão logo aprendeu a música do Super Man, aproveitou que a empregada deixou a janela aberta e voou para fora.

Ao ser identificado pelos radares da Embraer, caças F-5 foram enviados ao seu percalço. Num zigue-zaguear alucinante Erik derruba o primeiro caça cuspindo sua chupeta dentro de uma das turbinas. O segundo caça cai tão logo foi arrebatado com seu super arroto. E o terceiro, explodiu em 1000 pedaços com seu mega peido. Felizmente, todos os pilotos dos caças saíram ilesos do acidente ao serem ejetados no momento crucial. Após isso, uma névoa recai sobre a cidade de São José dos Campos. Pessoas lacrimejam com o odor originado de SupERIK.

Erik porém, não queria causar estragos à sociedade. Ele é do bem. Ele estava apenas se adaptando aos seus novos poderes. Ao sentir fome voltou para casa para mamar. Logicamente, seus poderes além da compreensão humana já lhe deram raciocínio e inteligência para conversar em todas as línguas do universo. Assim que chegou, pediu à mãe: "Mãe, quero peito! Hah, derrubei 3 mosquitos que estavam me perseguindo!"

Tão logo os pais percebem a situação ajudam Erik a compreender o que está acontecendo com ele. Assim, seu pai lhe diz: "I am your father" e tudo o mais que era necessário para a inteligência suprema perceber a real situação. A cada segundo que passava sua inteligencia e sabedoria aumentavam exponencialmente. Seus neurônios geravam energia suficiente para iluminar São Paulo. Então saiu voando novamente pela janela para arrumar a situação. Então foi para o depósito de reciclagem. Rapidamente construiu 3 caças Stealth da mais alta tecnologia que foi doado posteriormente á Força Aérea Brasileira (FAB). Feito isso ele inala todo o gás eliminados através de sua flatulência para seus super pulmões, onde são filtrados e então, eliminados no agreste brasileiro, onde se transforma em chuvas, para a população local carente em água.

Enfim, Erik volta para a casa dos pais, sempre voando pela janela. Onde, novamente, assume a humilde identidade de Erik, o bebê recém-nascido e estará pronto uma nova aventura a qualquer momento que seus novos poderem surgirem.

Assim nasce a história do segundo herói brasileiro, depois de Macunaíma.