terça-feira, 31 de maio de 2011

4

Amamentação - Histórias e Experiências

Olá!
Pegando carona no post de ontem, da Carol, hoje o nosso post coletivo é também sobre AMAMENTAÇÃO. A intenção é passar às futuras mamães um pouco da nossa experiência, na certeza de que informação sobre isso pode salvá-las de apuros e, então, fazer com que possam aproveitar um dos momentos mais sublimes da vida materna. Afinal, amamentar, além de super importante, é uma delícia (mas só depois que vencemos desafios que, às vezes, parecem insuperáveis).

1- Você se preparou, durante a gestação, para a amamentação? Como? Fez diferença?

Tati: Sim. Passando bucha vegetal nos mamilos e não passando hidratante neles durante toda a gestação, para que os mamilos ficassem mais resistentes. No último trimestre, passei a usar Lanidrat nos mamilos à noite. Creio que essas medidas fizeram MUITA diferença. Afinal, em nenhum momento os meus mamilos racharam ou ficaram feridos durante a amamentação.

Cy: Sim. Também passava a bucha vegetal todos dias na hora do banho e ficava também puxando os bicos para fora pois não tinha muito, assim como o meu GO ensinou.

Carol: No começo passava a toalha e pomada nos seios, mas depois de um evento de gestantes, uma pediatra disse que mexesse o menos possivel nos seios, pois assim estimulava o utero a começar as contrações, e assim parei tudo que eu fazia, e fiquei apenas com o banho de sol nos seios. Não adiantou de nada...

Ana: Minha resposta e parecida com a da Tati e Cy. Passei levemente bucha vegetal nos mamilos durante uns 15 segundos em cada no banho e suspendi o uso de hidratante neles durante toda a gestação para que os mamilos ficassem mais resistentes. Meus mamilos não racharam e nem se feriram durante a amamentação. Caso se machuquem, usarei lansinoh. Um fator determinante que me ajudou no preparo e durante a amamentação é ler muito sobre o tema, já que o meu sonho era amamentar meu filho, e entender que a "pega" do neném para amamentar também é muito importante. Então, reuni bastante dicas sobre o que fazer em diversas situações na amamentação para eu me sentir segura e ter vários recursos para resolver os problemas.


2- Você acha que poderia ter feito mais alguma coisa durante a gestação para melhorar a amamentação?

Tati: Sim. Meus mamilos são muito curtos; quase planos. Isso dificulta MUITO a pega do bebê. Creio que eu teria evitado esse problema se, durante a gestação, eu tivesse usado conchas de silicone, que têm a função de "formar" os mamilos. Como não fiz isso, a solução foi, durante o 1.º mês do Miguel, usar bicos de silicone que permitiam que ele abocanhasse corretamente.

Cy: Só conheci as conchas de amamentação depois do parto, infelizmente, se soubesse delas antes poderia ter usado todos os dias na hora de dormir, acho que teria ajudado bastante.

Carol: Depois que a Clarice nasceu que fui ficar sabendo que existiam "tipos" de mamilos, e o meu poderia ter sido preparado para aquele momento, tanto com a concha como com um sutiã proprio para mamilos planos.

Ana: Meu obstetra disse para eu tomar banho de sol e usar a concha de silicone a partir da 32ª semana de gestação. Não fiz nenhuma das duas e ainda bem que não tive problemas, pois ele me orientou corretamente e se tiver outra gestação, farei todo o recomendado.


3- Imediatamente após o parto, você conseguiu amamentar? Como foi a experiência?

Tati: Não. E esse foi o meu grande problema. Imediatamente após o parto, o Miguel foi colocado sobre mim. Sugou. E assim foi durante toda a nossa estada na maternidade e, depois, em casa. Contudo, embora ele sugasse bem e com intervalos curtos, o meu leite não descia. Não se percebia nem sinal de colostro. No 5.º dia, já quase desesperada e complementando (digo complementando porque eu não deixava de oferecer o seio) com Nan, liguei para a minha obstetra, que me indicou que tomasse Plasil (sim; aquele remédio para estômago). Só aí o meu leite desceu no dia seguinte (6.º dia após o parto). Foram longos dias de preocupação, frustração, tristeza.

Cy: Não. Muitas horas depois (no mesmo dia) consegui amamentar, com muita dificuldade, porém saía um pouco de colostro, o leite desceu mesmo no 3° dia.

Carol: Sim, imediatamente, eu tinha muito colostro, e no 3º dia como a pediatra informou o leite surgiu.

Ana: Logo que nasceu, Erik foi para meus braços e imediatamente o posicionei para a amamentação, mas ele não quis sugar ou mamar durante mais de 30 minutos. Nem chorou ao nascer e nesse período queria só olhar e sentir o ambiente. Tanto a pediatra neonatal e meu obstetra me confortaram afirmando que isso é normal. Duas horas depois do parto, no apartamento, Erik chorou, ofereci o seio e eis que apareceu o colostro. Amamentei exclusiva e em livre-demanda numa boa e meu leite desceu no 3º dia.


4- Você teve rachaduras ou outro tipo de problema alguns dias após o parto?

Tati: Não tive rachaduras e nenhum tipo de ferimento. Acho que isso se deve ao uso dos bicos de silicone, principalmente. Meu único problema foi, mesmo, a descida do leite muito tarde.

Cy: Sim. Os seios ficaram um pouco rachados, porém nada tão assustador, uma pomada específica e a concha de amamentação resolveram em pouquíssimos dias.

Carol: Sim, meus seios machucaram muito, sem saber o que fazer continuei usando o sutião que abafou meus seios piorando a situação, com muita dor resolvi usar o bico de silicone que acabou obstruindo meus seios fazendo com que a Clarice emagrecesse.

Ana: Quando acordei no 3º dia após o parto meus seios estavam imensos de tanto leite, talvez umas 5 vezes maior que o tamanho normal. Fiz bastante massagem para evitar empedramento e expressei leite manualmente, algumas vezes por dia. Dois dias, a demanda de leite já estava se ajustando às necessidades do meu filho.


5- Você conseguiu estabelecer a amamentação? Se sim, após quanto tempo?

Tati: Considerando a grande dificuldade que tive, posso considerar que consegui sim estabelecer a amamentação após a 1.ª semana. Mas nunca exclusiva. Como meu leite desceu apenas no 6.º dia, óbvio que até lá o Miguel tomou Nan. Depois disso, ele passou a mamar muito bem, mas (talvez por medo) eu nunca consegui (e nem tentei) tirar a mamadeira de Nan que ele toma antes de dormir. Então ele mama o dia todo, mas à noite - além de mamar - toma Nan.

Cy: Sim. Desde o começo, não fosse o refluxo a amamentação seria exclusiva até os seis meses de idade da Marcela, infelizmente com o problema desde os 3 meses e meio tive que complementar para ganhar peso.

Carol: Ainda não, mas luto para que consiga logo! Devido a obstrução do seio por conta do bico de silicone, o leite diminuiu e tive que dar complemento no copinho, por ser mais facil ela não queria mais mamar no peito, com muita insistencia, e passando o complemento para a mamadeira ela resolveu mamar novamente no peito, mas isso ainda depende muito do dia, tem dias que ela nem pega o peito, ficando apenas com o complemento e tem dias que ela mama maravilhosamente bem.

Ana: Sim, desde que nasceu.


6- Se você pudesse dizer algo sobre amamentação às futuras mamães, o que diria?

Tati: Mamãe, durante o pré-natal, leia muito, converse muito com o obstetra e, acima de tudo, levante hipóteses e faça perguntas específicas e diretas. Exemplo: "O meu mamilo está ok para amamentar ou eu devo tomar algum cuidado, como passar bucha ou usar conchas de silicone?"; "O que eu faço para estimular a minha produção de leite?"; "O que eu faço se, após o parto, o meu leite demorar muito para descer?". Em minha próxima gestação, vou desconfiar se até a 35.ª semana eu não tiver uma gota de colostro. Mais uma dica: Veja se há, na sua cidade, grupos de apoio à amamentação. Estou certa de que eles podem ajudar mais do que os obstetras. Se possível, procure esse grupo durante a gestação. Certamente será útil. Por último: tenea muita paciência para vencer possíveis dificuldades; a recompensa é enorme. Poder amamentar é uma delícia!!!

Cy: O mais importante é se munir de toda informação possível sobre a amamentação, usar a buchinha vegetal nos bicos, não deixar pra última hora as conchas e usar pomadas específicas, isso evitará sofrimento e consequentemente será só felicidade poder dar o que há de melhor para o seu bebê.

Carol: converse com seu obstetra, peça informação, se puder entre em grupo para amamentação eles ajudam muito, e tenha em mente que pode ser um momento dificil, mas que você não pode desistir, e por isso precisa saber como agir nesse momento.

Ana: Tudo o que as amigas disseram acima eu concordo porque é muito importante e fundamental para o sucesso da amamentação. Ficar quase 60% do tempo amamentando, após o parto (duas/três primeiras semanas) é muito exigente, mas para mim foi extremamente satisfatório e prazeroso. Sugiro que converse abertamente com mães que você tenha intimidade para conhecer como são os primeiros dias de amamentação, os sentimentos envolvidos, dicas, técnicas e apoio. Nós voltaremos a tocar neste assunto mais vezes aqui no blog.

4 comentários:

  1. Eu adorei a ideia do post e acho q devemos fazer mais vezes sobre esse assunto. Ajuda muito relatar um pouco da minha experiência com amamentação e tem muito mais ainda que podemos contar, contribuir e aprender.
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Meninas, que ótimo post!!!
    Bem informativo, creio que vai ajudar muitas mamães.

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  3. nossa que legal!!!!se soubesemos de algumas dicas assim antes talvez nao sofreriamos tanto!!kkkk eu passei muito a lanolina,mas mesmo assim rachou ui!!!bjosss

    ResponderExcluir
  4. Tb adorei o post, meninas! Acho, de verdade, que o blog está muito útil! Beijosss

    ResponderExcluir