sábado, 23 de julho de 2011

9

O Que eu não sabia?

Quando a gente conta para os amigos e para a família que estamos grávidas logo aparece um monte de gente falando ah vai ser assim, ah tu vai passar por isso ou por aquilo e principalmente nós mães de primeira viagem vamos guardando tudinho, mas e depois que o baby chega é tudo do mesmo jeito?

1 - Alguém te falou que o bebê não mama de três em tês horas?
Edna: Se tem uma coisa que ninguém me disse foi sobre o sono do Pedro, eu havia idealizado um bebezinho que dormia + ou - 3h acordava pra mamar e logo voltava a dormir, que ilusão a minha, me deparei com um bebê que acordava a cada 30 mim ou 1h na madrugada e mamava por quase 30 mim, quase pirei nos primeiros dias.
Bruna: Ninguém tinha me falado nada sobre isso, na minha cabeça era simples: tem fome, chora, mama! ah, quem não poderia acertar?!... Mas na primeira consulta com o pediatra neonatal ele disse "tem que dar de mamar a cada 3 horas ou ele pode ter hipoglicemia e até vir a óbito" afff... foi ouvir isso que meu despertador entrou em atividade máxima, nas primeiras semanas o Pedro tinha muito sono e dormia mais do que 3 horas seguidas (ai que saudade rs) e eu apavorada tentava acordar... Com o tempo fui descobrindo que quando ele tinha fome ele acordava sim! Mesmo que dormisse 6 horas seguidas (coisa que aconteceu pouquissimas vezes). Depois veio a segunda fase: Ele pedia para mamar a cada hora... ué e aquelas 3 horas???? Naturalmente elas nunca existiram, só qndo eu forcei mesmo e foi uma tragédia... Depois de um mês mais ou menos adotamos a livre demanda e mandamos o despertador pra casa da vovó!
Cyy: Me falaram que eu não ia dormir direito, mas não sabia que ia ser tão pouco! Pelo menos nos dois primeiros meses acordava 3 ou 4 vezes na madrugada só pra amamentar e de dia essa regra de 3h não funcionava nem de longe...
Ana: Ninguém falou e pelo contrário, afirmaram isso e só disseram que não terei tempo para nada nesta fase. Mas, li muito sobre amamentação exclusiva na internet e vi depoimentos de mães que não entendiam por que isso acontecia e profissionais competentes dizendo para oferecer o leite materno toda vez que o bebê tiver fome. Até meu marido leu isso e quando tive dúvidas se Erik tinha fome ou não, ele me lembrava: Erik está pedindo a amamentação exclusiva e em livre demanda rs
Carol: Eu tinha lidro sobre amamentação em livre demanda e de 3 em 3 hrs, e quis tentar na amamentação de 3 em 3 hrs, mas uma coisa que deviam ter me dito é que isso só se deve ser feito a partir do 2 mês, no primeiros mês o bebe ainda esta se adaptando, e ele vai mamar em qualquer hr e vai exigir isso, e aos poucos se acostumando com o tempo, isso claro para alguns.

2 - Todo mundo fala sobre os preparativos com os seios e que eles podem ferir, mas alguém disse que o bebê poderia não querer mamar?
Edna: Todo mundo encheu minha cabeça falando disso que amamentar dói, que o bico do seio fica machucado teve gente que me disse até que o bico ia ficar pendurado, eu pra variar entrei em pânico e comecei a usar pomadas, buchas etc, mas eu nunca imaginei que o Pedro poderia não querer mamar, as primeiras mamadas na maternidade foram bem difíceis pois ele não queria pegar de jeito nenhum, chorei muito achando até que ele poderia estar me rejeitando, ô mãe dramática.
Bruna: Não mesmo! Pra mim continuava aquele pensamento de fome=choro=mamar! Mas nos primeiros dias foi horrível! tenho vídeos da maternidade de eu tentando faze-lo mamar e ele chorando como se eu estivesse dando veneno para ele... Eu sabia que doeria o seio, não sabia que doeria na alma! (saber que tem que alimentar alguem, não ter leite, e ainda por cima esse alguem não aceitar mamar é de doer a alma mesmo!)
Cyy: Foi super problemático nos primeiros dias na maternidade comigo também, ela não pegava o seio e eu me desesperava achando que ela ia ficar com fome, afinal o bebê não nasce sabendo mamar e eu não achei que aprenderia tão rápido, no terceiro dia já estava tudo sob controle.
Ana: eu não sabia nada disso e ninguém me avisou também. Ainda bem que Erik mamou de primeira, senão eu teria sérios problemas.
Carol: Não, nem passou essa possibilidade em minha cabeça, por isso tudo foi muito estranho e confuso, me falaram que doia, mas eu não levei a sério, pra mim foi tudo novidade, e gostaria de estar preparada para aquele momento.

3 - O que as pessoas diziam que ia acontecer e você enchia a boca pra dizer que não com você e seu baby e no final, aconteceu?
Edna: Eu sempre ouvi as pessoas dizendo que acabavam dormindo com os filhos na cama e muitas vezes até eles ficarem grandes tipo 6, 7 anos, eu achava isso um absurdo e enchia a boca pra falar que meu filho não ia nem deitar na minha cama pra não "acostumar", agora eu to bem vendo, meu filhote quase não dorme no berço, fica é coladinho na cama comigo, no começo achei que isso seria o fim do mundo, mas que nada, eu amo, até tento por ele no berço, mas quase sempre ele chora até eu por ele na cama aí eu me rendo.
Bruna: Isso é meio novo mas definitivamente a minha decisão por ficar com o Pedro em casa e sair do serviço. Sobre as coisas de bebezinho eu não me apeguei muito pois não era de ficar falando como seria, eu nem pensei muito sobre isso. Mas sobre o fim da licença materniade eu achava um absurdo verem as mães sofrendo por conta disso e mais, criticava (eu confesso) quem optava por ficar SÓ com o filho em casa. Eis que chegou minha vez e mesmo tentando eu não consegui. Estou SÓ em casa com meu filho!
Cyy: Sem dúvidas, a mesma história de dormir conosco na cama, achei que nunca faria isso, mas confesso que não há nada mais gostoso que dormir agarradinhas.
Ana: Que eu vou ter vontade de parar de trabalhar. Achei que não rs. Não vou parar, mas praticamente quase não irei trabalhar, só 4 períodos por semana, ou 2 dias. Já abri mão de oportunidades e vou continuar abrindo com o maior prazer de ficar perto do meu filho, e enquanto a situação financeira daqui permitir.
Carol: machucar os seios, eu batia o pé e dizia que comigo não ia acontecer, e chupeta e mamadeiras, todo mundo falava para eu comprar e eu sempre dizia que não pois não iriamos usar.

4 - O que você achou que ia tirar de letra e acabou quebrando a cara?
Edna: Eu sempre tive muito contato com bebes, primos, sobrinhos, filhos dos vizinhos, então eu me achava a especialista (ingenua), eu achava que ia entender o Pedro de primeira, que saberia distinguir todos os tipos de choro possíveis, quebrei a cara, ele teve sérias crises de choro e nada fazia ele acalmar, não sentia dor não tinha nada e eu sem saber chorava junto e me sentia péssima, com o tempo fomos nos entendendo e as coisas foram ficando cada vez melhores.
Bruna: o dia a dia! Eu achava que ter um bebe era simples, eles dormiam muito, ficavam no bercinho entretidos quando estavam acordados... E nasceu o Pedro! Eu não sabia o que fazer com aqueles 3 quilos de gente no meu colo! Ele não se interessava por nada e tampouco aceitava ficar sozinho no bercinho... Eu lembro de passar horas com ele no colo andando de lá para cá sem saber o que fazer direito, adorava dar de mamar por que aí eu sabia que ele estava satisfeito, de resto, era uma incógnita.
Cyy: Bom, eu não sabia se tiraria algo de letra, pois a Marcela é o primeiro bebê com quem tive contato, fomos aprendendo tudo juntas, algumas vezes na marra, porém nos viramos muitíssimo bem sozinhas.
Ana: Comigo aconteceu algo parecido com a Cyy; achei que poderia demorar para aprender algumas coisas por eu ser um pouco desastrada e por não ter pessoas por perto para ajudar, mas foi o contrário: eu e Erik tivemos muita sintonia desde..sei lá...talvez na barriga; não precisei de ajuda e ainda consegui ajudar o marido que ficou meses travado por causa da crise das hérnias de disco.
Carol: As madrugadas. Sempre imaginei que iria tirar de letra, mas no começo foi terrivel, e eu perdi a paciencia varias vezes, descontando minhas frustrações na Clarice.

5 - As pessoas falam um monte de coisas sobre a maternidade, alguém te falou sobre o amor de mãe?
Edna: Eu já tinha ouvido falar em alguns livros, e li bastante sobre isso nos sites específicos sobre o assunto, mas ninguém nem mesmo minha mãe falou desse sentimento, e quando o Pedro nasceu que eu olhei pra ele, eu senti uma emoção diferente, os sentimentos foram chegando e se misturando, eu não fazia idéia que existisse um sentimento igual a esse.
Bruna: Já tinha ouvido falar algumas vezes sobre o amor de mãe, especialmente nas propagandas de maio da Marabras (rs)... Mas um dia minha cunhada, que tem 4 filhos, me disse: eu olho para eles e choro... Eu não entendi na época, mas é claro, eu não era mãe. Mas com certeza foi essa minha cunhada que mais se aproximou ao tentar me explicar o que é o amor de mãe, é algo imenso, maior que a gente, tão grande que sobram lágrimas, que dói, que ri... Mas eu entendo que isso ninguém tenha me explicado, esse amor assim tão grande não tem explicações mesmo!
Cyy: Eu já era totalmente apaixonada pela Marcela desde a época da gravidez, só que esse amor aumentou absurdamente depois do nascimento...A única coisa que sempre me falavam é que não existia nada igual ao amor de mãe, mas explicar com mais detalhes ninguém falou, eu aprendi o que é sentindo.
Ana: Falaram muitas coisas bonitas, recebi mensagens maravilhosas, porém, eu refletia, tentava aprender e imaginava, mas não era a mesma coisa...só quando aconteceu comigo é que realmente senti e reconheci "o amor de mãe".
Carol: Sim, e realmente você só sabe o que é, quando se torna uma, é uma coisa que não tem descrição, é simplesmente magnifico, esta a cima de qualquer coisa que conhecemos.

6 - O que te falaram pra fazer e você fez e se arrependeu?
Edna: Todo mundo sempre me falou pra não ficar com o Pedro no colo pois ele ia ficar "mal acostumado", diziam pra eu não balançar e tal e assim eu fiz, ficava doida pra pegar ele pra encher de beijos, mas me segurava, foi aí que as crises de choro começaram, ele chorava pois queria colo queria ficar perto de mim e eu ficava me limitando a pegar somente pra trocar a fralda, dar banho e amamentar, cheguei até a achar que o Pedro estava chorando por que eu estava deixando ele passar fome, mas não, o que ele queria era colo, queria ficar perto de mim, era só eu pegar que ele se acalmava, ah se eu pudesse voltar tinha feito diferente, tinha dado colo desde o começo, amor e carinho nunca é de mais, hoje estamos os dois cada vez mais coladinhos e mais felizes.
Bruna: Me falaram para se ele acordar à noite não pegá-lo no colo, para deixar chorar. Com 15 dias de vida do Pedro e depois de 15 dias sem dormir eu fiz isso, e por duas noites seguidas deixei o menino chorar por 10 minutos sem parar, até dormir cansado e suado... me arrependo amargamente de ter feito isso, é o que mais me culpo nesses meus 6 meses de maternidade. Depois daquelas duas noites sempre que ele faz "a" ele ganha um colo, um tete, um aconchego, o que quiser, na hora que quiser. Eu pago um alto preço por isso, como me alertaram as pessoas que me insentivaram a 'deixar chorar', com seis meses ele está longe de dormir uma noite inteira, ele ainda acorda muitíssimas vezes por noite... mas ainda assim sei que fiz o certo e é assim que farei com meu próximo filho quando eu tiver.
Cyy: A mesma história da Edna, sempre diziam pra não dar muito colo, pra não ficar manhosa etc e tal, nos primeiros dias até me segurei pra não pegar no colo toda hora, deixar chorar um pouco, mas não suportei por muito tempo e resolvi ouvir minha filha ao invés de um bando de adultos que não convivem conosco e não sabem das necessidades dela, hoje minha filha é um doce, quase não chora e nos entendemos muitíssimo bem.
Ana: "Coloca sapato nele, parece pobre!". "Coloca manta nele, ele vai sair sem nada cobrindo!". A mão está fria, coloca luva"... e por aí vai. Rapidinho aprendi a dar mais valor para: 1. a minha intuição; 2. ao que o Erik sente; 3. ao meu relacionamento com meu filho e que ele não teria intermediários.
Carol: Assim que a Clarice chegou em casa, minha mãe axava um absurdo ela com pouca roupa, e agasalhava ela todinha, nos moramos no Nordeste, resultou varias acordadas da Clarice pingando de suor, me arrependo muito de ter aceito isso. E uma coisa que me arrependo muito foi ter parado de comer chocolate, por indicação da Pediatra, eu sou viciada em chocolate, os primeiros dias já foram muito dificeis, e sem meu chocolate eu estava muito estressada, ate que minha mãe comprou chocolate e me obrigou a comer, pois atpe então eu batia o pé com medo de fazer mal para a Clarice, comi, não fez mal, eu desestressei e as coisas puderam caminhar melhor.


9 comentários:

  1. Estas foram as perguntas que eu mais gostei de responder em toda a minha gestação e maternidade porque são pontuais, claras, objetivas e contam muito a verdade. Parabens Edna!

    Acho q devemos repetir essa rodada. Mamaes, gravidinhas, tentantes, leitoras, deixem sua sugestão para nós que atenderemos com muito prazer e dedicação.

    bjsss

    ResponderExcluir
  2. foram as melhores perguntas que respondi ate hj! eu adorei!

    ResponderExcluir
  3. eu faço das palavras da carol as minhas! as melhores! amei!

    ResponderExcluir
  4. Tati, obrigada pelo comentário lá no meu blog sobre "desmame".
    Beijos, Genis ♥

    ResponderExcluir
  5. Meninas obrigada, aceito sugestões das mamães, podem perguntar qualquer coisa, gestação, bebes e tudo mais, vai ser um prazer tirar todas as duvidas!!
    bjs

    ResponderExcluir
  6. Nossa essas dicas seriam ótimas para as mamães gravidinhas...bjus

    ResponderExcluir
  7. hahaha realmente eu tenho ouvido muitas coisas por aí...
    é estranho né?
    Beijos amiga, como sempre o blog tá ótimo! bjs

    ResponderExcluir
  8. kkkkkkkkkk! Adorei o post! Ouvi tudoooooooooooooo! adoro v6!
    Bjus

    ResponderExcluir
  9. Adoro ler sobre essas experiências, sobre o que as pessoas dizem e que fazem ou não sentido...
    Me identifiquei e ao mesmo tempo comecei me preocupar com a resposta da Edna que falou que sempre teve mto contato com bebes mas no final "quebrou a cara". Eu sou a primeira de 10 primos, sou a mais velha e peguei praticamente todos no colo e não me lembro de que era tão dificil assim... kkkkk Não vejo a hora da prova!!!

    http://olhardepsicologa.blogspot.com/

    ResponderExcluir